Lembrem o “imigrem” do nosso primeiro-ministro Coelho. O rei dos paradoxos é português.

Ou foi “emigrem”?