Como escritor, de modo a que a história gere verdadeiro propósito, era assim que escreveria os intentos futuros da manifestação:

Os manifestantes avançam e sobem a escadaria da Assembleia da República. A polícia não consegue parar a massa uniforme e, por fim, reúne-se a eles. Juntos, arrombam a porta e invadem o parlamento. Agora, sim, o povo é quem mais ordena. E durante tempo indeterminado os milhares de manifestantes sentam-se condignamente nas cadeiras que comandam o destino da República Portuguesa.

Assim seja, como aqui vos escrevi.

Avancemos, que Portugal está a aguardar. Sábado 15 de Setembro de 2012. 23horas e 49 minutos.